quinta-feira, abril 02, 2009

Sinto Saudades



Do sorvete de creme e bolinhos de chuva da vovo.

Do pe de Jamelao da tia Loura. Chupando as frutinhas no topo da arvore, a boca e a roupa roxas do suco. Chupando cana, tambem no quintal dela. Os fiapos agarrando nos dentes. Tia Loura sorrindo.

De ir a pe' pra padaria, pro acougue pro mercadinho (que vendia de tudo um pouco). Da tendinha de verduras sempre fresquinhas. Da banca de jornal...

Do parquinho de diversao (com roda gigante e tudo !) que montavam na pracinha todo verao.

Das arvores com lindas flores amarelas (que nunca procurei saber o nome) em fileiras alegres na beira da Avenida Brasil.

De Jaca, Goiaba, Maracuja. Mamao Papaia, docinho como mel. Banana Prata, Banana Nanica, Banana Maca. Laranja Celeste. Caja-Manga...

Da Pizza de sardinha da mamae.

Do doce de mamao verde com coco. Creme de leite por cima, hummm !

Da agua de coco na praia.

Do suco de cana geladinho com pastel de vento na feira.

Da Feira !

Da Barra da Tijuca ainda selvagem, so arvores, mato e praia.

Do Cristo Redentor sem escada rolante, os 365 degraus subidos com sacrificio, um para cada dia do ano. A chegada triunfal ao topo-"cheguei primeiro !"

Da Praia, da praia, da praia !

Do Sacole de coco com leite condensado.

Da Festa Junina (que ia escondido porque sou crente).

De ver os meninos mais velhos soltando os baloes enormes com lanterninhas soletrando o nome de alguem.

Do Dia de Cosme e Damiao : "Nao posso, sou crente". Nao, obrigada, sou crente".
Nao, 'brigada, moca, nao posso, sou crente...
" Mamae suando o dia inteiro na cozinha fazendo doce de tudo quanto e' tipo, pra gente nao comer os doces dos santos.

Do retiro de Carnaval da igreja. Dormindo nas salas de aula das escolas vazias.

Da Igreja XV !

Dos cultos ao ar livre. Ceu estrelado, lindooo ! Violao de madrugada.

Da carrocinha de pipoca no final da tarde.

Da Ave Maria tocando no radio todos os dias as 18 horas.

Da Cigarra azucrinando o dia todo, anunciando mais calor. Para, cigarra !

Da roupa no varal.

Do vovo Zeca contando suas historias fantasticas dos seus dias de cacador e encontros com a Sereia Iara e o Saci Perere. Depois, na cama, nos todos com medo de levantar pra ir ao banheiro...

Da vitrola do vizinho da casa em frente que so tocava Betania :
"Calice. Afasta de mim esse Calice, Pai..."

Da minha bicicleta cor de beringela, o melhor presente da minha vida.

Do quintal de barro vermelho, onde fazia panelinhas, jarrinhos e tijelas pra brincar.

Da rua Belterra, a unica rua do bairro sem asfalto. Feita de pedras largas, cinza-azul. Os meus pes descalcos a correr nela.

Dos "Piqueniques" na Quinta da Boa Vista.

Do Papai Noel no Maracana.

Dos primos, todos juntos ao redor da mesa de Natal.

Das pazes : "to de bem". Dedos mindinho a se enroscar.

De mastigar Capim Gordura.

De fazer dormir a "Dormideira" com um toque suave dos meus dedos.

Da Cocada preta e do Cuscuz doce da Baiana que gritava toda terca-feira :"Olha o Cuscuz !!!"

De esticar o pescoco pela janela e ver o por do sol atras da Serra de Bangu.

2 comentários:

Lenita disse...

Ai, nem vou falar das muitas coisas das quais tenho saudades... Ia dar um catálogo telefônico, rsrsrs
Bjs

Anônimo disse...

Vc me fez recordar e chorar...chorar de saudades, mas acima de tudo feliz em saber que vivi momentos tão felizes... Vc escreve muito bem heim!! Bjk no coração. Marcia Cabral